Você sabe o que é Shopper Insights?

Atualizado: 22 de Out de 2019



Shopper Insights é uma análise baseada sobre o que acontece em uma loja e qualquer coisa imediatamente relacionada a ela.


Sendo, então, ligada a “experiência de compra” de cada consumidor.

Nessa análise a intenção é entender sobre exatamente “o quê”, “como” e “quando” as pessoas gastam seu dinheiro.


Será que esse cliente visita inúmeras lojas? Recebeu algum tipo de material promocional ou oferta de preço?

Vamos supor que um determinado cliente esteja fazendo compras em um supermercado.

Ele está lá escolhendo um produto "X".


O que resume, então, que o cliente está basicamente no “modo compra”.


Mas quando o cliente está em casa usando ou consumindo um produto ele está em “modo consumo”.

O que retrata que todos os consumidores são avaliados em todo o processo de decisão de escolha e compra do produto ou serviço.

Seria uma surpresa dizer que a economia digital tem colocado a análise de dados como uma questão estratégica para o futuro das empresas?

Através dessa nova tecnologia empregada, para os varejistas de todo local, entretanto, a utilização inteligente das informações está assumindo uma posição ainda mais urgente, impactando em tempo real a receita e o crescimento das organizações como um todo.

Mas como explicar o cenário?


Isso está totalmente relacionado ao uso onipresente de dispositivos móveis, o que gera volumes de informações cada vez maiores.

O grande fator de urgência para o varejo global é que o consumidor está cada dia mais digital, exigindo cada vez mais novas experiências e serviços.

Resumidamente, hoje o cliente não possui mais uma individualidade nesse setor, o fator de sucesso mais significativo envolve a utilização de abordagens abrangentes que permita o uso de dados para se acompanhar os clientes, os ciclos de vida dos produtos e a cadeia de suprimentos em geral.


Porque nesse ciclo de comprador para consumidor, cada um dos clientes esperam que as marcas conheçam e atendam suas preferências, o principal diferencial competitivo das companhias envolve a agilidade nos processos para a utilização inteligente dos dados.

Mas o que isso pode significar?

Para a Artusi Arquitetura, é de que cada vez seja necessário que as marcas trabalhem suas habilidades em torno das ações para alavancar grandes quantidades de informações coletadas em vários locais durante todo o ciclo de vida de um produto (da produção ao pós-venda).

Toda e qualquer organização deve ser responsável por entender como organizar e usar essas informações para o planejamento de seus projetos, abrangendo desde matérias-primas até mercadorias acabadas e lançamentos sazonais.


É o mínimo a se esperar.

Nessa era, os dados gerados nas linhas de produção são uma base, o foco de extrair insights para melhorar a oferta entregue pela marca a todos os compradores.

Sendo necessário tempo para conseguir realizar efetivamente.

O que ocasiona para as organizações acabar criando registros duplicados que contêm informações incompatíveis, ou dentro de dados imprecisos ou conflitantes.



Vamos imaginar!

A Artusi Arquitetura acredita ser significativo imaginar a seguinte ideia: Há uma rede de varejo de roupas.


Essa rede precisa lidar com informações geradas por dezenas de lojas físicas, marketplace virtual, aplicativo para celulares e uma longa cadeia de suprimentos e abastecimento de estoques com matérias-primas e produtos acabados.


Ou seja, para cada uma dessas operações um sistema diferente está criando dados específicos, e muitas vezes sobre o mesmo consumidor!

Não é simples solucionar essa situação, mas as mais bem-sucedidas redes varejistas da atualidade estão dando um salto na atualização de suas tecnologias de gestão empresarial, buscando a combinação certa de dados para entender o que funciona ou não em suas estruturas e modelos de negócios.

O objetivo deve ser reunir e compartilhar todos os dados necessários, especialmente dados de oferta e da demanda dos consumidores, e torná-los acionáveis.

O gerenciamento de dados mestres (MDM) permite exatamente isso, elevando as chances para que os varejistas utilizem as informações coletadas por diferentes domínios para planejar adequadamente as preferências futuras e responder às últimas tendências de compra.

Os sistemas MDM fornecem informações integradas, geradas por todas as seções e unidades da empresa.


Eles oferecem às companhias a habilidade de tomar decisões mais precisas, permitindo que as organizações possam levar o produto certo ao mercado, no momento certo e com o preço certo.

A tecnologia de gestão de dados mestres pode conectar sistemas para permitir visualizações em 360° dos produtos e clientes.

Ao dominar o gerenciamento do ciclo de vida do produto (PLM) usando o MDM, é possível criar insights que podem servir como base para os lançamentos de produtos.

Essas informações são úteis, também, para campanhas de marketing, com a análise de perfis e comportamentos de compra, engajamento da marca etc.

O insight obtido quase em tempo real, por dados precisos, pode ser usado para melhorar a tomada de decisão em torno das tendências do mercado, preferências do consumidor, confiabilidade e disponibilidade do fornecedor e muito mais.

O MDM também permite que as empresas gerenciem estoques com mais eficiência e assertividade.


Vamos dar um exemplo, eles compreendem as muitas variáveis ​​envolvidas no desenvolvimento de uma linha de calçados, desde a ideação até a compra.

Você também pode reabastecer os materiais mais rapidamente, permitindo que você produza mais produtos certos, de maneira mais rápida e eficiente.


Com os dados mestres conectados, as varejistas podem obter informações reais sobre seus dados, combinando as informações sobre seus produtos e as exigências dos consumidores para fornecer mais do que os clientes desejam com produtos melhores e experiências superiores.

Essa é a vantagem de se ter em um único repositório central, todas as informações necessárias para alimentar e conectar com inteligência todos os sistemas e planos estratégicos.

É assim que as empresas podem ganhar a atenção do público, fazendo o que cada comprador procura.

Se você trabalha em algumas destas funções, já se perguntou qual é a diferença.


Consumer Insight vs Shopper Insight

A diferença mais básica e simples entre Consumer Insight e Shopper Insight é o objeto do estudo: o “consumidor” ou o “comprador”.

Quando você está no supermercado escolhendo um produto você está no “modo compra” e quando você está em casa usando ou consumindo um produto você está em “modo consumo”.


Os consumidores são avaliados em todo o processo de decisão de escolha e compra do produto ou serviço.

Tanto a sua jornada quanto seu processo de decisão têm relação direta com os impactos que você sofre no momento da compra.

Pegue outros exemplos: os pais que passam na farmácia para comprar a vitamina dos filhos, um colega de trabalho encarregado de comprar o coffee-break da reunião, o tio que sai para comprar a ração do cachorro, a amiga que ficou de levar o vinho para o jantar…o shopper que faz a compra para o consumidor final.

Tudo fica mais claro quando listamos os atributos que levam cada perfil a fazer a sua escolha. Esses são os principais elementos de diferenciação entre eles:

O shopper não abre mão de: experiência, conveniência, variedade e valor.

O consumidor valoriza, acima de tudo: sabor, durabilidade e saudabilidade. Para que o varejo consiga vender seus produtos e figurar no polo ativo, estudam-se as dinâmicas, intenções e direcionamentos de compras.

Portanto, o shopper marketing é o desenvolvimento de estímulos baseado no entendimento sobre o comportamento do shopper a fim de ampliar a força da marca e influenciar positivamente o momento da compra.


Além disso, os fundamentos dessa estratégia estão baseados na geração de insights, gerenciamento por categorias, criatividade e efetividade das ações.


Como o shopper marketing foi criado?

O conceito de shopper marketing foi introduzido no Brasil no final dos anos 2000, como uma evolução do trade marketing no que se refere às estratégias de vendas, sobretudo, de varejo.

Ele foi criado a partir das necessidades dos profissionais da área de Vendas e Promoções compreenderem como as pessoas agem no momento da compra.

Pode-se dizer que esse segmento do marketing surgiu para aumentar as vendas e oferecer aos clientes compradores experiências inovadoras e satisfatórias por meio da otimização da cadeia de produção e vendas.

Desse modo, o shopper marketing foi criado para transmitir mensagens claras, diretas, transparentes, informativas e autênticas aos compradores para que eles tenham os seus desejos, expectativas e necessidades atendidas com os produtos oferecidos pela loja.

O Consumer Insight, por outro lado, é mais focado na “experiência da marca”, não importa onde isso acontece.


Aqui queremos saber como a marca é percebida, o que as emoções lembram e fazem recordar.

Estas informações ajudam a iniciar o processo de inovação de produtos e marcas e a tomar melhores decisões sobre onde investir, se publicidade ou lançamento de produtos por exemplo.

O Shopper Insight nasceu algumas décadas atrás, da metodologia do Gerenciamento de Categorias – GC, quando os varejistas aprenderam que os consumidores podem ser influenciados quando estão no processo de compra através de materiais promocionais, sinalização, ou seja, quais estímulos são mais eficientes para inspirar o comprador.


Em contraponto o Consumer Insight se preocupa com o que as pessoas estão fazendo como um todo.

As tendências e insights vão além do processo de decisão e compra.

O Marketing precisa dos insights do consumidor que lhes permitam criar produtos e mensagens alinhadas com as necessidades dos consumidores.

Então você já conseguiu entender que Shopper Insight dá ao Marketing as ferramentas para “empurrar” mais produtos nas mãos dos clientes?

O Shopper Insight se concentra em encontrar a “beleza” da “pessoa que compra”.

Mas falando sobre o Consumer Insight, isso ajuda as empresas a descobrir como o consumidor pensa e o que o motiva a escolher determinada marca ou produto.

Sendo o principal objetivo fazer com que os consumidores olhem para o produto e “pegue”.

O consumer Insight faz o consumidor querer um produto por causa de anúncios que viu ou porque foi recomendado por outras pessoas, ficou mais fácil de entender, não é?

A época em que a única preocupação era oferecer produtos ao consumidor e garantir venda se foram, atualmente há questões de maior complexidade que tange os processos de compras.

e-book-passo-a-passo.jpg
infografico-implantaçao-franquia.jpg
infografico-como-funciona-o-manual-de-ar