Por que você não deve ignorar os riscos de uma obra

Atualizado: 22 de Out de 2019

Mesmo tomando precauções, uma obra apresentará riscos. Hoje nós vamos conversar sobre o porquê de não os ignorar.


A construção civil está repleta de riscos e desafios para quem pretende empreender uma obra.


Sabemos como orquestrar uma obra pode ser complexo, então, hoje conversaremos sobre por que você não deve ignorar os riscos de uma obra, para evitar danos e prejuízos.



Como sempre, procurarei ilustrar a nossa conversa com exemplos e histórias de situações reais, assim você terá uma imagem perfeita do que pode acontecer quando os riscos de uma obra são ignorados.


E também, como em todos os casos, o artigo terá o tempo exato de uma boa xícara de café, ou uma pausa para relaxar. Combinado?


Vejamos por que você não deve ignorar os riscos de uma obra:


Os riscos de uma obra e a perda de credibilidade


Fonte: http://www.97news.com.br/


Dados apontados pelo Correio Braziliense mostram que, por ano no Brasil, perto de 700 mil pessoas sofrem acidentes de trabalho.


A construção civil representa algo próximo dos 75% dos acidentes.


Esses números são corroborados pelos principais sindicatos que cuidam do setor e a CIPA aponta para algumas causas principais nos acidentes.


Falaremos delas adiante, por enquanto vamos nos ater à uma outra questão.


Todo acidente de trabalho, por menor que seja, tem impacto direto na vida das pessoas envolvidas e na credibilidade da empresa em que o acidente ocorreu.


Ou seja, acidentes são péssimos para empresas, não apenas pela dor que causará em uma pessoa – o que já é um motivo bom o bastante – mas também porque representará um impacto negativo na imagem da empresa.



A sorte não existe. Aquilo a que chamas sorte é o cuidado com os pormenores.

Winston Churchill





Quando o acidente era evitável


Outra grande questão que ganhou os jornais no nosso ano é a constatação de que alguns acidentes eram plenamente evitáveis, se os responsáveis pela vistoria do local estivessem com a atenção afiada.


Acidentes desse tipo são extremamente prejudiciais para a empresa em vários aspectos:


Além de impactar grandemente a credibilidade da empresa, ainda geram custos com processos, a perda inestimável de colaboradores e a mídia negativa.


E não pense que eu estou falando apenas sobre grandes acidentes e tragédias que ganham os jornais.


Se você pensar sobre os números que eu apresentei no início do artigo, verá que os acidentes são muito mais normais do que parecem – e essa realidade precisa ser mudada.


A Justiça do Trabalho e a sua atenção para não ignorar os riscos de uma obra


Números do site Jus Brasil apontam que mais de 50% das ações trabalhistas contra empresas são iniciadas ou tem como objetivo a busca por compensação pós acidente de trabalho.


Esse número pode ser traduzido como a falta de atenção e o ato de ignorar os riscos de uma obra.


Analise comigo, se mais da metade dos trabalhadores se sentem lesados ao ponto de entrarem com uma ação judicial após o desligamento da empresa, é por que algo não está funcionando de maneira correta.


As causas dos acidentes de trabalho


Alguém poderá dizer que os acidentes acontecem por diversos motivos e nem sempre é culpa das pessoas em posição de gerência.


Muitas vezes é difícil estabelecer qual foi o ponto de quebra para que o acidente ocorra – pense no ponto de quebra como a hora em que o acidente se torna irreversível.


Pois eu acredito que esse argumento faz todo o sentido, sim, os acidentes são causados por diversos fatores, é complicado estabelecermos um causador primordial.


Contudo, ainda está nas mãos da gerência as decisões mais importantes para evitar que qualquer acidente possa acontecer, vamos conversar sobre isso em detalhes.


Os riscos em uma obra e as cegueiras pontuais


Veja bem, em momento algum eu acredito que quando nós perdemos de vista os riscos em uma obra estamos sendo negligentes.


Acontece que como seres humanos somos falhos, podemos errar.


Acompanho de perto gerentes ou pessoas em situação de destaque que estão atoladas em obrigações e precisam lidar com diversas situações ao longo do dia, posso garantir que o fator estresse é predominante nas ações que geram risco ou causam acidentes.


Quando o estresse bater, é preciso dar um passo para trás


Erros raramente são cometidos por negligência pura e simples, quando o responsável pelo erro faz por conta de algum desvio de caráter, ou coisas similares.


Mesmo os acidentes que são pensados como negligência podem esconder outras motivações.


O trânsito é um ótimo exemplo – quem aqui nunca precisou acelerar um pouco para conseguir chegar a tempo em um compromisso?


O que tudo isso tem em relação ao risco de uma obra?

Minha intenção é demonstrar que ninguém em sã consciência ignoraria os riscos de uma obra apenas por puro relaxo.


Normalmente as motivações são outras, os compromissos estão por todos os lados, sendo assim, qualquer um pode errar ou perder de vista os problemas.



Cuidado com as pequenas despesas: uma fenda diminuta pode fazer afundar um grande navio.

Benjamin Franklin




Como não ignorar os riscos de uma obra


Agora que já estabelecemos as relações de como os riscos são ignorados, é bom que você tenha em vista modos de garantir a segurança das suas obras, sem precisar arcar com listas enormes ou aumentar ainda mais o seu estresse.


Elaborei essa lista baseada em situações do meu cotidiano.


Aqui estarão exemplos sobre casos que eu tive a oportunidade de acompanhar de perto ao longo da minha experiência com a Arquitetura, sobretudo a Arquitetura para varejo.


Como evitar riscos em uma obra: faça reuniões periódicas


Um dos melhores modos de evitar que os riscos sejam ignorados é marcar reuniões periódicas com o pessoal da obra.


Gosto de deixar claro que a participação de todos é importante nessa reunião.


Deixe que os colaboradores falem, desde o mais simples montador até os subgerentes.


A diferença entre pontos de vista pode relevar problemas que não são aparentes para outras pessoas, então a diversidade é fundamental.


Além de tudo, essas reuniões periódicas serão importantes para manter a equipe confiante de que você está no controle da situação.


O que é ótimo para a moral e para o animo do serviço como um todo.


Faça checklists para as ferramentas e os equipamentos de proteção


A CIPA (responsável pela segurança do trabalho) distribui cartilhas para que os trabalhadores saibam o que fazer e como agir caso algum acidente ocorra.


Entre as dicas está a elaboração de listas de checagem, tanto para os equipamentos quanto para as ferramentas.



Fonte: https://blog.ipog.edu.br


Imagine que um colaborador pode esquecer uma chave de fenda no alto de um andaime e depois, no dia seguinte, pegar outra chave.


Aquela chave no alto do andaime significa um risco de acidente – ela pode cair, ela pode enroscar em alguma máquina, pode entrar em contato com o sistema elétrico, entre muitos problemas.


Com um checklist é possível ter a conta de quantas ferramentas estão disponíveis na obra.


Assim, se uma estiver faltando, o trabalhador saberá que deve encontrá-la, antes de pegar outra.


Garanta que a obra seja gerenciada por profissionais competentes


Os escritórios de Arquitetura e de Engenharia existem justamente para que você não precise lidar com todas os desafios que é gerenciar uma obra, ao mesmo tempo que precisa continuar gerenciando a sua marca.


Então, como dica final, aconselho você a procurar escritórios e empresas de confiança.


Sempre que precisar de uma obra, por menor e mais pontual que ela seja, garanta que o projeto e a construção serão feitos por pessoas que tenham compromisso com o resultado.


Só assim você estará em segurança contra as ações judiciais ou os diversos problemas que foram apontados ao longo do artigo.


É essencial manter a qualidade em uma obra!


Você pode encarar um erro como uma besteira a ser esquecida, ou como um resultado que aponta uma nova direção.

Steve Jobs




Notas finais: por que você não deve ignorar os riscos de uma obra


Pesemos no risco como a equação: probabilidade x impacto.


Probabilidade sendo a chance de que algo aconteça e o impacto são os efeitos gerados pelo acontecimento.


Apesar da palavra riscos estar majoritariamente associada com acontecimentos ruis, nem todo risco é negativo.


Quando existe um risco positivo chamamos de oportunidade. Já os riscos negativos são também chamados de ameaças.


Uma mesma experiência pode ser considerada uma oportunidade ou uma ameaça.


Praticar esportes radicais são riscos e ameaças, jornalistas precisam lidar com as variáveis entre risco e ameaça todos os dias.


Trabalhando com o risco


Para saber se uma situação é um risco ou uma ameaça você deve considerar:


· O histórico de ocorrências, quantas vezes a situação de fato aconteceu. Pense na comparação entre acidentes de carro e acidentes de avião. O histórico mostra que o risco é muito menor em um avião.


· Análise dos riscos constatados: uma lista com os principais riscos presentes no desempenho de cada função.


Após avaliar a probabilidade e o impacto você será capaz de prever estratégias para lidar com o risco, fazendo com que o risco seja uma oportunidade e não uma ameaça.


Organizando o seu cronograma da maneira mais eficaz possível.


Ficou com dúvidas ou gostaria de saber mais sobre o assunto? Entre em contato comigo.


Estou disponível para que nós possamos conversar e trocar experiências.


Deixo o convite para que você acompanhe as publicações no Blog.


Busco trazer novidades sobre Arquitetura para Varejo, tecnologia e os desafios do mercado. Até mais!