Como o Planejamento do Cronograma pode ajudar você a inaugurar sua loja na data prevista!

Atualizado: 22 de Out de 2019

Dando continuidade a nossa série de vídeos e artigos falando sobre como o planejamento pode te ajudar a evitar dores de cabeça quando se trata de obras, hoje vamos falar da importância do planejamento do tempo, que está intrinsecamente ligado ao planejamento do escopo que falamos no artigo anterior.


Quem nunca passou pela experiência de fazer ou conhecer alguém que achava que a obra demoraria 3 meses e acabou durando um ano?


É muito comum as pessoas fazerem obras sem planejamento algum.


De fato, algumas delas pensam basta contratar o pedreiro e eletricista que eles “se viram”.


Afinal, porque planejar se são serviços simples?


Sim, os serviços em si, são simples. Mas sem coordenar todos eles, o que era simples se torna complicado.


Já é um grande avanço quando as pessoas reconhecem a necessidade de se ter um projeto.


Acho que foi este um dos motivos de eu ter feito arquitetura.


Minha mãe, era mão na massa, e adorava mudar nossa casa...costumo dizer que ela fazia rodizio.


Começava pela sala, depois reformava a cozinha, quartos, banheiro....e quando chegava ao último cômodo, já estava na hora de mudar o primeiro.


O gosto por tornar o ambiente bonito, herdei dela, mas a falta de planejamento me fazia uma opositora de obras quando eu era criança.


O que era para ser uma pintura, transformava minha casa num caos.


Por que estou citando esta experiência? Bem, não é só minha mãe que fazia assim.


Sem ter projeto, e, portanto, sem ter escopo o resultado é consequência de tentativa e erro.


Um bom projeto de arquitetura, além de possibilitar te dar um vislumbre do que há de ser construído, também direciona as atividades que devem ser feitas na obra para entregar o escopo do projeto.


Somente com o escopo definido, é possível definir quais atividades deverão ser feitas para entregar todos os itens do escopo, bem como em qual sequência e o prazo de execução para cada atividade.


Isso possibilita prever com mais precisão a data de inauguração da loja sem sustos.


Aliás, você sabia que alguns shoppings cobram multam caso não seja inaugurado no prazo previsto?


Ou mesmo um atraso, significa perder o tempo de carência.


No PMBOK, Guia de Gerenciamento de Projetos que mencionamos no primeiro vídeo, ele define que o planejamento do tempo, deve considerar: quais atividades devem ser feitas para entregar o escopo planejado? Quanto tempo dura cada atividade? Qual a relação e a sequência lógica que será feita? Quais recursos serão necessários?


Na prática o que isso significa?


Imagine que uma das entregas definida no escopo, é parede com pintura.


A parede pintada é o objetivo final, mas para cumprir os objetivos, algumas atividades deverão ser cumpridas: lixar a parede, passar massa corrida, e só então pintar.


Quantas demãos de tinta serão necessárias? Vai depender do tipo de tinta e acabamento que foi especificado no projeto.


E por falar em tipo de tinta, eis aí outra etapa deste processo, que é definir os recursos, sejam eles materiais ou humanos.


Portanto para obter a parede pintada, será necessário: lixas, massa corrida, pincéis, rolos, tinta, solvente para tinta, mascaras de proteção, escada ou andaime, etc, que são os materiais.


Já os recursos humanos, iremos definir quantos pintores e ajudantes serão necessários para ter todas as paredes pintadas.


Definindo os recursos, podemos estimar a duração das atividades.


É por isso que se requer experiência, consultar quem entende do assunto ou melhor ainda: consultar a pessoa que irá realizar o serviço.


Para estimar, é preciso tirar uma média entre a pior estimativa e a melhor estimativa e aí, teremos uma estimativa mais precisa para a realidade.


Bem, já definimos quais as atividades serão necessárias para fazer uma entrega, também definimos os recursos necessários, feito isso, é preciso entender qual atividade deve ser feita antes e qual depois, e dispondo as atividades numa sequência lógica, onde um atividade termina quando a outra começa, ou dispor atividades para serem feitas de modo simultâneo, desde que é óbvio, uma não interfira na outra.


O planejamento não deve ser algo rígido, ele deve ser escrito a lápis, pois conforme as informações vão vindo à tona, ha necessidade de voltar e verificar se aquilo que foi planejado ainda faz sentido.


Voltando ao exemplo da parede pintada o que seria possível fazer, caso você constate que há pouco tempo para fazer todo o serviço de pintura?


Uma analise do planejamento pode indicar que se for usar um novo recurso, como por exemplo uma máquina de lixar ao invés de apenas um assistente, pode ser mais rápido, entretanto isso incorre no custo de aluguel do equipamento.


Por isso, através do planejamento é possível estabelecer prioridades. O que é mais importante: economizar ou fazer mais rápido? Depende dos objetivos do projeto.


No caso de uma obra comercial, tempo é sempre um fator muito relevante, pois quando antes fizer, antes iniciara o processo de vendas.


Enfim, com todas estas informações a mão, é possível montar um Cronograma de obra.


Mas como falei, todos os itens são integrados.


No próximo artigo, falaremos sobre como o orçamento impacta ou é impactado pelo planejamento do escopo, do tempo e das demais áreas.


Aguardo vocês no próximo artigo.

e-book-passo-a-passo.jpg
infografico-implantaçao-franquia.jpg
infografico-como-funciona-o-manual-de-ar