Como Gerentes de Expansão de Franquias podem evitar atrasos nas inaugurações de lojas de Shopping

Atualizado: 22 de Out de 2019


ATENÇÃO: este texto é para você, que é Gerente de Expansão de uma franqueadora, ou Franqueado de lojas de Shopping.


Se você não é, não perca seu tempo lendo-o.



Foi dada a largada!


Após uma longa fase de negociação, com shopping, franqueadora, franqueado, fornecedores, os contratos foram assinados.


No contrato de aluguel com o shopping, está previsto 60 a 90 dias de carência, que na teoria seria um prazo razoável para os envolvidos correrem com todos os trâmites, certo? Errado!


Mesmo que na negociação se consiga 90 dias de carência, quanto antes o franqueado inaugurar, e melhor ainda se estiver no prazo de carência, melhor será para a sua franquia.


Afinal, quanto antes, antes haverá faturamento para o franqueado e consequentemente para a franqueadora que recebe % dos royalties.


Para que você não seja pego desprevenido, hoje vou falar sobre um dos maiores erros que eu aprendi convivendo e trabalhando com empresas em expansão, e que atrapalham demais os planos dos franqueados.


Você precisa saber, que ao contrário de uma loja de rua, todos os shoppings, sem exceção, têm um processo de aprovação interna dos projetos.


Mas isso você já deve ter conhecimento se você é do ramo de franquias.


A novidade é que fizemos uma pesquisa recente (Julho/2018) com 80% dos shoppings listados pela ABRASCE (Associação Brasileira de Shoppings Centers) e durante esta pesquisa, identificamos que 70% dos comitês de shopping apontam como a maior dificuldade na aprovação de projetos, em especial projetos de franquias, o famoso Ctrl+C e Ctrl+V de projetos, sem sequer verificar o local.

É fato, que os shoppings via de regra (mas não sempre), fornecem as informações de projetos da loja que anteriormente ocupava o espaço ou mesmo da loja no formato “Shell” quando o shopping é novo e o espaço nunca foi utilizado.


Entretanto, o que as equipes não levam em conta é que os projetos que são arquivados nos shoppings, são os projetos que foram apresentados ANTES da obra, para que esta fosse liberada para execução.


É aí que mora o perigo.


Porque não há obra que segue à risca o projeto, pelo menos eu, que vos escrevo este artigo, desconheço.


Interferências, e adequações sempre são feitas no meio do caminho, não importa quão detalhado o projeto esteja.


E até hoje, depois de ter gerenciado a implantação de mais de 185 lojas, eu nunca vi, um projeto As Built (Significa= Como Ser Construído) ser entregue pela construtora, caso o shopping não exija isso para dar a obra como concluída, o que raramente acontece.


Para não correr o risco de ter o projeto reprovado várias vezes, e consequentemente dando sequência a uma série de atrasos, porque o shopping não irá liberar o início da obra até que o projeto seja aprovado, uma boa prática é que a equipe responsável pela execução do projeto SEMPRE realize a Visita Técnica de Levantamento do espaço.


E no caso onde há uma loja operando, ou instalações que dificultem a medição, a demolição e retirada de alguns itens deve ser considerado antes do levantamento, tais como: forros e marcenaria.


Mas se isso é recorrente, por que algumas empresas insistem em não fazer?


Isso porque consideram na conta, apenas o custo de medição como sendo desnecessário, mas não o retorno do investimento.


Porém pense o seguinte: imagine que a sua franquia tenha faturamento estimado de 200 mil por mês.


Um dia que a sua obra atrasa, e a sua loja deixa de abrir, equivale a R$6.666,00, isso sem contar que você terá que pagar o aluguel caso a carência já tenha vencido.


Acredite em mim, uma visita técnica, mesmo considerando o deslocamento com transportes e outros custos, custa bem menos do que isso.


Agora vai de você, decidir se deseja economizar, ou deixar de ganhar.


Quer saber mais sobre como não deixar sua franquia em atrasos? Temos um artigo falando sobre Cronograma!


A escolha é sua, sempre!


e-book-passo-a-passo.jpg
infografico-implantaçao-franquia.jpg
infografico-como-funciona-o-manual-de-ar