5 coisas que você precisa saber antes de abrir uma Clínica Odontológica com RAIO-X

Atualizado: 25 de Jul de 2019


Após a formação acadêmica, muitos contemplam um sonho: abrir o próprio negócio.


São inúmeros motivos que tornam essa ideia atrativa, como por exemplo, autonomia, não precisar da supervisão do chefe, estabelecer horários e outras preferências.


São muitos benefícios, de fato.


Apostamos que essa ideia já passou pela sua cabeça, não é mesmo?


Abrir uma clínica odontológica requer muita atenção, pesquisa e de certa forma, experiência na área.


Além de alguns requisitos básicos, hoje escolhemos falar de algo muito importante para uma clínica: raio x, ou seja, a radiologia odontológica.


O raio x é uma ferramenta muito utilizada em diversos ramos, mas nem todo mundo sabe a verdadeira importância e cuidados especializados para monitorar um raio x.


Dessa forma, decidimos listar 5 dicas sobre abrir uma clínica odontológica com raio x.


Desde o significado de radiologia odontológica, até normas e precauções.


Acompanhe com a gente:


1. O que é radiologia odontológica?


A radiologia odontológica tem como papel explorar toda a arcada dentária em busca de um diagnóstico bucal, para cuidar e prevenir problemas dentários.


Abrange todos os exames de radiologia feito na boca, seja dos dentes, da gengiva, do maxilar, etc.


Esse tipo de raio x é bem especifico, sendo utilizado diariamente por diversos profissionais odontológicos.


É um procedimento prático e eficaz, em pouco tempo é possível ter uma visão do exame, e em seguida, detectar o diagnóstico do paciente.


É muito utilizada para descobrir doenças, reparos que precisam ser feitos, visualização da boca e dos dentes – enfim, tudo o que o dentista julgar necessário.


2. Qual é a sua importância? Como funciona?



O raio x possibilita uma visão intraóssea, isto é, através dele é possível enxergar dentro dos ossos – o que seria impossível identificar apenas olhando a parte externa dos dentes.


Sendo assim, é imprescindível a utilização desse exame na hora da consulta.


É por meio deste que, os profissionais descobrem qual é o problema em questão.



Há muitos questionamentos sobre o raio x e os danos que pode causar para os seres humano. Isso acontece porque o raio x é uma forma de radiação.


O diagnóstico feito por imagem, é provido de uma relação entre os raios emitidos e os raios recebidos após atravessar o corpo humano.


Sendo assim, ao ser feita uma emissão de raio x, eles passam através do corpo em questão, construindo a imagem necessária.


Radiografia intraoral


A radiografia mais utilizada.


Como o nome indica, é feita na parte interna da boca.


Tipos de exames feitos através dessa radiografia:

  • Oclusal

  • Periapical

  • Interproximal

  • Método de localização


Radiografia extraoral


Ao contrário da radiografia intraoral, a radiografia extraoral é feita na parte externa da boca, isto é, do lado de fora.


  • Radiografia carpal

  • Radiografia ATM

  • Radiografia panorâmica

  • Telerradiografia lateral e frontal


Radiologia odontológica digital


Outra área explorada da odontologia é a radiologia digital.


Muitas pessoas estavam acostumadas com a radiologia produzidas apenas em folhas de película.


Como a tecnologia digital está sempre se inovando e reinventado, não poderia deixar de lado a evolução no meio odontológico.


Nesse quesito digital, o profissional tem maior facilidade para analisar e ver com precisão o que está aparecendo no raio x.


Por exemplo, com a forma digital, é possível dar zoom, ampliar a imagem para ver detalhes não muito aparentes, ver o contraste e brilho, fazer modificações e entre outros.


Além disso, a aquisição ficou muito mais fácil.


É só arquivar no computador e deixar o documento armazenado para quando precisar utilizar.


Prático e vantajoso para o negócio!


Por ser uma ferramenta tão usada nos consultórios odontológicos, decidimos colocar em pauta algumas informações importantes para você usufruir desse elemento:


3. Radiação Ionizante


A utilização de radiografias odontológicas está exposta a emissão de uma pequena dose de radiação ionizante.


A radiação ionizante possui energia o suficiente para alterar as estruturas moleculares, mas como seu uso só é pedido em questões de extrema precisão, seus riscos são pequenos.


Apesar de algumas pessoas terem medo do seu uso, não é necessário.


A sua utilização é de extrema importância para a área de odontologia e medicina, pois é capaz de completar ou criar um diagnóstico em pouco tempo.


Dessa forma, os riscos que os profissionais e clientes são expostos, acabam sendo compensados pela sua eficácia.


Dosimetria individual


Relacionada com a radiação ionizante, a dosimetria individual é um tipo de proteção contra os riscos derivados da radiação que os trabalhadores sofrem.


É feito uma medição da quantidade de radiação, através de dispositivos e monitores.


Esses elementos são eficientes na ação de converter a energia deixada pela radiação.


Ação que visa e preza pelo bem dos trabalhadores em exposição.


É medido a exposição, dose em relação a atividade executada, etc.


Com isso, são usadas as unidades convencionais de conversão para o sistema internacional.


A seguir, vamos apresentar algumas dessas unidades:


  • Roentgen (R): mede a quantidade de raios-x ou gama no ar (Coulombs/Kg).

  • Gray (Gy): mede a dose absorvida de radiação (Joules/Kg).

  • Sievert (Sv): mede dano biológico da radiação para cada tipo de tecido – (Joules/Kg).


Os dispositivos e monitores são utilizados de forma mensal, isto é, há cada 30 dias essa monitoração é entregue e analisada.


4. Proteção radiológica


Apesar de ser um exame preciso e necessário em toda rotina do profissional odontológico, nós separamos algumas dicas principais para ajudar na proteção contra os riscos da radiação. São elas:


O tempo


O tempo é um fator muito importante nessa hora.


O ideal é preparar o profissional que irá executar essa tarefa, para conseguir completa-la com rapidez e eficácia.


Pois, quanto menor o tempo de exposição do paciente com o exame radiológico, menor são os seus riscos.


Blindagem adequada


É necessário usar a roupa correta.


As mais utilizadas são fabricadas com chumbo, mas existem outras opções.


Diminui o risco da exposição tanto de quem está aplicando, quanto quem está fazendo o exame radiológico.


Ao executar todas as prevenções com cautela, o profissional na área de radiologia odontológica, preza pelo seu bem-estar e do seu paciente que também está sofrendo exposição.


Evitar a exposição desnecessária e minimizar o máximo possível, é uma das prevenções mais indicadas.


Afinal, a exposição é que concentra mais riscos nesse ramo.


Previna-se e siga as regras para não contaminar você e os pacientes da sua clínica.


5. Normas


A Portaria 453/1998 fala sobre os requisitos específicos na radiologia odontológica.


São normas cruciais e que precisam ser atendidas.


A seguir, vamos mostrar por partes especificas algumas das normas:


Do ambiente


  • “O equipamento de radiografia intra-oral deve ser instalado em ambiente (consultório ou sala) com dimensões suficientes para permitir à equipe manter-se à distância de, pelo menos, 2 m do cabeçote e do paciente.”

  • “Para cada equipamento de raios-x deve haver uma vestimenta plumbífera que garanta a proteção do tronco dos pacientes, incluindo tireóide e gônadas, com pelo menos o equivalente a 0,25 mm de chumbo.”

  • “O serviço deve possuir instalações adequadas para revelação dos filmes.”


Do equipamento


  • “equipamentos para radiografias intra-orais devem possuir um localizador de extremidade de saída aberta para posicionar o feixe e limitar a distância foco-pele;”


  • “o sistema de controle da duração da exposição deve ser do tipo eletrônico e não deve permitir exposição com duração superior a 5 s;”


  • “O sistema de suporte do cabeçote deve ser tal que o mesmo permaneça estável durante a exposição.”


Procedimentos do trabalho


  • “Exames radiográficos somente devem ser realizados quando, após exame clínico e cuidadosa consideração das necessidades de saúde geral e dentária do paciente, sejam julgados necessários. Deve-se averiguar a existência de exames radiográficos anteriores que tornem desnecessário um novo exame.”


  • “O tempo de exposição deve ser o menor possível, consistente com a obtenção de imagem de boa qualidade. Isto inclui o uso de receptor de imagem mais sensível que possa fornecer o nível de contraste e detalhe necessários. No caso de radiografias extra-orais, deve-se utilizar uma combinação de filme e tela intensificadora com o mesmo critério.”


  • “A repetição de exames deve ser evitada por meio do uso da técnica correta de exposição e de um processamento confiável e consistente.”


Controle de qualidade


Deve ser feito um controle de qualidade, com frequência de no mínimo dois anos. Alguns dos aspectos que devem ser analisados:


  • Camada semi-redutora;

  • Tensão de pico;

  • Tamanho de campo;

  • Dose de entrada na pele do paciente;

  • Padrão de imagem radiográfica;

  • Integridade das vestimentas de proteção individual


Conclusão


Após aprofundar o conhecimento em raio x nas clínicas odontológicas, esperamos que você tenha entendido os procedimentos e recursos desse equipamento.


O raio x é uma ferramenta importante no campo de trabalho, mas deve ser utilizado com muita atenção e seguindo todas as normas – inclusive, muitas das que detalhamos no texto.


Para usufruir desse equipamento da melhor forma possível, pense sempre no bem-estar dos trabalhadores e dos seus pacientes.


Esteja sempre atento ao funcionamento do raio x, faça manutenções regulares e vise sempre as regras e normas exigidas.


Incentive a sua equipe a saber sobre a importância de fazer de forma correta e segura os procedimentos realizados na sua clínica, pois só assim você vai conquistar uma boa clientela e manter seu negócio seguro – tanto para você, quanto para quem visita sua clínica.


Boa sorte!

<